quarta-feira, 31 de março de 2010

BBB 10: No Big Brother, a vitória é sempre do Brasil.

Por Ricky Nobre

Eu nunca escrevo em primeira pessoa. Apesar da minha formação em publicidade e em cinema, abracei esta prática jornalística de, mesmo produzindo um texto rigorosamente subjetivo, desenvolver uma narrativa totalmente objetiva na aparência. Reparem que em minhas críticas aqui pro Séries, eu nunca digo “eu acho”, “eu penso”. Digo, “é”, “não é”. Isso dá a impressão ao leitor de que eu sei do que estou falando. Mas hoje escrevo em primeira pessoa, pois o assunto me perturba e revolta de forma muito pessoal.
Antes de mais nada, sim, eu vim aqui falar de BBB. E para não deixar dúvidas, vou logo esclarecendo de uma vez:
1 – Não, eu não virei fã do BBB e nem passei a assistir.
2 – Não, eu não estou desesperado por aumentar a visitação do blog.
Assim, vamos adiante.

É meio impossível não saber nada sobre BBB. E olha que eu me orgulho muito de conseguir me manter o mais alienado possível da cultura televisiva aberta brasileira, assim com de boa parte do que faz sucesso na música, seja brasileira ou não. Mas não dá pra não saber nada sobre BBB. Está em todos os lugares, todos os jornais, todas as revistas, nos intervalos da TV a cabo, absolutamente em qualquer lugar. Em sua décima edição, encerrada na noite de ontem, a Globo continua com motivos para comemorar. Se a audiência caiu muito em comparação às primeiras edições, a participação do público só aumenta e atingiu um recorde inacreditável no último episódio: nada menos do que 152 milhões de votos!!! Menos pessoas estão vendo BBB, mas as que vêem mostram uma devoção obsessiva com os resultados e com seus brothers e sisters favoritos.


Uma nota pitoresca. Minha namorada, brilhante antropóloga, com uma bagagem intelectual que me mata de inveja, é louca por TV e por cultura de massa. É viciada em reality shows e assiste de tudo, até o inacreditável Girls From Playboy Mansion. Mas ela detesta BBB. Ao contrário dos demais realities, que mostram pessoas em, supostamente, suas vidas e rotinas normais, ou nos realities de competição, em que os participantes disputam um prêmio a partir do exercício de seus talentos profissionais, seja cantando, desenhando roupas, sendo modelos, cozinhando ou seja lá o que for, no BBB é diferente. Um grupo de pessoas se isola do mundo e fazem... NADA! Simplesmente, nada!!! Participam de prova bobinhas, no estilo game-show, ganham alguns prêmios em testes de habilidade ou resistência, e procuram angariar a simpatia popular para atingir o grande prêmio, atualmente em 1,5 milhão de reais. Os demais realities não fazem muito sucesso no Brasil. A(s) versão(ões) brasileira(s) do American Idol lutam sempre para continuarem no ar e não revelam ninguém que faça realmente sucesso. Outros pequenos programas, como versões do Esquadrão da Moda, ou Dez Anos Mais Jovem, tem participações bem modestas no ibope. Mas BBB e A Fazenda são sucessos estrondosos. Por quê? Porque o brasileiro não tem tanta admiração por quem vence através do trabalho quanto tem por quem vence pela sorte ou pela “esperteza”. No BBB, o vencedor ganha dinheiro pra ficar três meses numa casa de luxo sem fazer nada! Não depende de talento, de esforço, de trabalho. Ganha quem for esperto o suficiente pra jogar bem e ganhar a simpatia do público.


Fernanda: bonita demais pra ganhar.

Mas voltando à minha namorada, ela se mudou recentemente e ficou sem TV a cabo. Rodando os nossos pouquíssimos e sofríveis canais abertos, ela parou na Globo e suspirou: “Agora entendo porque as pessoas vêem Big Brother. Não tem NADA mais pra ver”. Foi assim que assisti uns três ou quatro episódios das últimas semanas deste BBB.
Que Dourado ia ganhar era fácil de prever. Qualquer um podia ter a esperança de que isso não acontecesse, pois esperança é um sagrado direito do ser humano. Mas ele correspondia a um padrão. Me lembro em 2000 o quanto o resultado do primeiro Big Brother me revoltou. Foi uma revolta tão profunda, que martela na minha cabeça até hoje. Logo nas primeiras semanas, Xiane, uma loura meio feinha e muito gostosa protagonizou a primeira cena de “edredon” com um bronco chamado Bam Bam. O povo ficou muito revoltado com aquela pouca vergonha e botou a menina pra fora da casa logo naquela mesma semana. Então na semana seguinte, foi a vez do cara ser punido pela decência popular, certo? Errado!!! Ele foi até o fim da competição e GANHOU O PROGRAMA!!!! Em plena virada do milênio, o brasileiro mostrou que continua moralista, provinciano, preconceituoso e misógino. A mulher foi punida pela sacanagem, o homem, premiado.

Xaiane foi expulsa e Bam Bam, premiado for fazerem a mesma coisa e juntos!

Desta forma, não era de se admirar que o machão homófobo Dourado, que foi vilão no BBB4, virasse herói do BBB10. Somado a isso, ele conseguiu outro rótulo que garantiu a vitória de vários brothers anteriores: o de coitadinho. Hostilizado por boa parte dos competidores e do público, aos poucos ele foi conquistando a simpatia digna dos incompreendidos. Somando-se ao fato de que mulher bonita e gostosa jamais ganhou um BBB (o que deixou Fernanda fora da jogada), o caminho ficou livre pra Dourado vencer o boa praça Kadu, que era amigo de todo mundo na casa, gostosas, machões, gays, lésbicas, todos. O grande prêmio e o momento de glória foram para aquele que carrega os valores tipicamente brasileiros: o preconceito, o machismo e a cultura do derrotado.
Parabéns pela vitória, Douroado. Você é a cara do Brasil. Você merece!

8 comentários:

Fernanda disse...

Uuhhh!!! Falou e disse Ricky!
Também me recuso a assistir a esse tipo de programa. Simplesmente desligo a tv e vou fazer outra coisa. Mas como você disse, esse é o tipo de informação imposta, em qualquer lugar que você vá ou olhe, tem algo ou alguém pra te fazer lembrar que o BBB existe. Infelizmente.

Anônimo disse...

Concordo em número,gênero e grau. Odeio isso, mas realmente é impossível não saber que existe. Quanto ao que disse sobre o primeiro BBB pelo que eu me lembro ele começou em 2002 e não em 2000. Naquele ano tiveram duas edições, a primeira no início do ano e a segunda mais no final, se eu não me engano. Antes, parece que a Globo resolveu fazer um teste de popularidade no Brasil em relação a Reality Show passando o No Limite aos domingos com o Zeca Camargo.

tati disse...

Bom, já que somos, pelo menos em teoria, democráticos, então vou dar minha opinião. É realmente interessante, pq com todas as pessoas com quem conversei, as que "amavam" Dourado, odiavam Fernanda e VICE-VERSA!!! Mas como vc ressaltou um ponto interessante, pq ninguém "amava" o Cadu??? Sendo ele um cara tão bonito, tão simpático, tão amigo, tão educado!??! E foi assim do início ao fim.. Este é um bom ponto de reflexão. Agora, o interessante é que isso não ocorreu com Fernanda e Dourado. Foram opostos! Fernanda começou bem,tranquila, simpatica, de repente estava fazendo fofoca, intrigas, dando em cima de um e de outro e aquela simpatia toda foi se transformando. Dourado, começou um grosso, troglodita e mal educado. E na minha opinião, se revelou, depois de ser isolado(por justas causas), começou a mudar o comportamento pessoal e interpessoal. Brasileiro abraça coitadinho? Sim, acho que sim. Só que não foi só por isso, senão ele não teria tido tanta aversão do público no início, pois ele já entrou um "coitado". Torcia pelo Cadu e pelo Dourado.Votei no Dourado. Faria de novo. Espero que ele mantenha o que conseguiu dessa vez, não só financeiramente, mas principalmente em sua personalidade. Brasileiro tb gosta de histórias de superação.Abraço e boa semana

Anônimo disse...

VCs repararam como esse BBB teve marketing??? Toda hora, todo lugar(como vc disse)só se via e ouvia sobre BBB.Cruz credo!!!rss..É poluição sonora e visual demais!!! E quem não tem TV a cabo, como euzinha?Nas quartas então, tenho que dormir mais cedo, pq além de tudo ainda tem o futebol!Prefiro as novelinhas..hehhehe.Pelo menos relaxa um pouco..
Mas BBB?? Ninguém merece!!!A gente é quase obrigada a ficar assistindo Pedro Bial falar bobagens, brigas entre pessoas q a gente nem conhece e um bom tempo de cultura inútil, que quase robotiza as pessoas à nossa volta. Sim, pq todos SÓ falam nisso, uma hora ou outra. Até vc...rssss.

Anônimo disse...

Ricardo, meu fio. Antero Leivas aqui. Acho batido falar de BBB, como funk carioca, axé e outras bombas, mas qq brasileiro com pouco mais de dois neurônios tem q dar clap-clap a teus comentários. Concordadaço. That's all
Abração

Patrícia Balan disse...

Ricky é o sujeito mais chique, gostosinho e inteligente que eu conheço. Mas não estou podendo opinar. Não sou mais brasileira. NÃO VEJO TV.

Baixo séries que gosto no Torrent, alugo DVD, mas NÃO VEJO TV. Os comerciais me irritam. Minha irmã vê BBB deitada na cama com os olhos fechados. Ela JURA que está assistindo. Sabe tudo o que acontece, porque é um programa que você consegue entender mesmo que esteja inconsciente. As novelas eu vejo no restaurante. Cada vez mais aqueles diálogos me parecem irreais. Mas certamente é algo sobre o qual todos vão ter alguma coisa para falar. Não é preciso prestar atenção.

Como otimista inveterada e ferrenha, acredito na internet como saída para isso. Eu dou aula para adolescentes e estou vendo um abismo entre dois tipos: os que precisam pertencer à massa e os que olham o mundo com um pouco mais de curiosidade.

É por isso que a gente não pode deixar de falar, não pode deixar de escrever, principalmente você, meu amor. Porque o burro, alienado e homofóbico faz barulho. Quando se trata de gente com uma visão diferente dessa, o silêncio não é de ouro, não: ele é um veneno.

É um país que pune quem tenta superar pelo esforço, sim. É um país que tem raiva de quem tenta ser melhor, sim. Desistir de mostrar isso é trair uma nação que não nasceu para isso. Tudo melhora, por que é que a gente não vai melhorar.

Fala, meu amorzinho. Que brisa fresca que é o teu texto!

Beijo da Pati.

Erik Fortes disse...

Que bom que eu não sou o único a pensar assim!!
Adorei!!

Sandra Vargas Polastre disse...

Entra BBB, sai BBB e a porcaria continua a mesma...