quarta-feira, 31 de março de 2010

DONA GAGÁ

por Renato Rodrigues
Já imaginou se a Lady Gaga tivesse uma vida porcaria que nem a sua? Pegasse ônibus, fosse a lavanderia, trabalhasse em um emprego horrível? Já pensou? Claro que não, você deve ter mais o que fazer, mas o pessoal que fez o vídeo abaixo pensou.

Clica aí no play, mané:




A maior parte das cenas foi gravada em Sydney. As imagens foram publicadas no canal do Youtube do programa "Hungry Beast", veiculado na Austrália pela ABC. A beldade que faz a Lady Gaga aí é a atriz Veronica Milsom.

BBB 10: No Big Brother, a vitória é sempre do Brasil.

Por Ricky Nobre

Eu nunca escrevo em primeira pessoa. Apesar da minha formação em publicidade e em cinema, abracei esta prática jornalística de, mesmo produzindo um texto rigorosamente subjetivo, desenvolver uma narrativa totalmente objetiva na aparência. Reparem que em minhas críticas aqui pro Séries, eu nunca digo “eu acho”, “eu penso”. Digo, “é”, “não é”. Isso dá a impressão ao leitor de que eu sei do que estou falando. Mas hoje escrevo em primeira pessoa, pois o assunto me perturba e revolta de forma muito pessoal.
Antes de mais nada, sim, eu vim aqui falar de BBB. E para não deixar dúvidas, vou logo esclarecendo de uma vez:
1 – Não, eu não virei fã do BBB e nem passei a assistir.
2 – Não, eu não estou desesperado por aumentar a visitação do blog.
Assim, vamos adiante.

É meio impossível não saber nada sobre BBB. E olha que eu me orgulho muito de conseguir me manter o mais alienado possível da cultura televisiva aberta brasileira, assim com de boa parte do que faz sucesso na música, seja brasileira ou não. Mas não dá pra não saber nada sobre BBB. Está em todos os lugares, todos os jornais, todas as revistas, nos intervalos da TV a cabo, absolutamente em qualquer lugar. Em sua décima edição, encerrada na noite de ontem, a Globo continua com motivos para comemorar. Se a audiência caiu muito em comparação às primeiras edições, a participação do público só aumenta e atingiu um recorde inacreditável no último episódio: nada menos do que 152 milhões de votos!!! Menos pessoas estão vendo BBB, mas as que vêem mostram uma devoção obsessiva com os resultados e com seus brothers e sisters favoritos.


Uma nota pitoresca. Minha namorada, brilhante antropóloga, com uma bagagem intelectual que me mata de inveja, é louca por TV e por cultura de massa. É viciada em reality shows e assiste de tudo, até o inacreditável Girls From Playboy Mansion. Mas ela detesta BBB. Ao contrário dos demais realities, que mostram pessoas em, supostamente, suas vidas e rotinas normais, ou nos realities de competição, em que os participantes disputam um prêmio a partir do exercício de seus talentos profissionais, seja cantando, desenhando roupas, sendo modelos, cozinhando ou seja lá o que for, no BBB é diferente. Um grupo de pessoas se isola do mundo e fazem... NADA! Simplesmente, nada!!! Participam de prova bobinhas, no estilo game-show, ganham alguns prêmios em testes de habilidade ou resistência, e procuram angariar a simpatia popular para atingir o grande prêmio, atualmente em 1,5 milhão de reais. Os demais realities não fazem muito sucesso no Brasil. A(s) versão(ões) brasileira(s) do American Idol lutam sempre para continuarem no ar e não revelam ninguém que faça realmente sucesso. Outros pequenos programas, como versões do Esquadrão da Moda, ou Dez Anos Mais Jovem, tem participações bem modestas no ibope. Mas BBB e A Fazenda são sucessos estrondosos. Por quê? Porque o brasileiro não tem tanta admiração por quem vence através do trabalho quanto tem por quem vence pela sorte ou pela “esperteza”. No BBB, o vencedor ganha dinheiro pra ficar três meses numa casa de luxo sem fazer nada! Não depende de talento, de esforço, de trabalho. Ganha quem for esperto o suficiente pra jogar bem e ganhar a simpatia do público.


Fernanda: bonita demais pra ganhar.

Mas voltando à minha namorada, ela se mudou recentemente e ficou sem TV a cabo. Rodando os nossos pouquíssimos e sofríveis canais abertos, ela parou na Globo e suspirou: “Agora entendo porque as pessoas vêem Big Brother. Não tem NADA mais pra ver”. Foi assim que assisti uns três ou quatro episódios das últimas semanas deste BBB.
Que Dourado ia ganhar era fácil de prever. Qualquer um podia ter a esperança de que isso não acontecesse, pois esperança é um sagrado direito do ser humano. Mas ele correspondia a um padrão. Me lembro em 2000 o quanto o resultado do primeiro Big Brother me revoltou. Foi uma revolta tão profunda, que martela na minha cabeça até hoje. Logo nas primeiras semanas, Xiane, uma loura meio feinha e muito gostosa protagonizou a primeira cena de “edredon” com um bronco chamado Bam Bam. O povo ficou muito revoltado com aquela pouca vergonha e botou a menina pra fora da casa logo naquela mesma semana. Então na semana seguinte, foi a vez do cara ser punido pela decência popular, certo? Errado!!! Ele foi até o fim da competição e GANHOU O PROGRAMA!!!! Em plena virada do milênio, o brasileiro mostrou que continua moralista, provinciano, preconceituoso e misógino. A mulher foi punida pela sacanagem, o homem, premiado.

Xaiane foi expulsa e Bam Bam, premiado for fazerem a mesma coisa e juntos!

Desta forma, não era de se admirar que o machão homófobo Dourado, que foi vilão no BBB4, virasse herói do BBB10. Somado a isso, ele conseguiu outro rótulo que garantiu a vitória de vários brothers anteriores: o de coitadinho. Hostilizado por boa parte dos competidores e do público, aos poucos ele foi conquistando a simpatia digna dos incompreendidos. Somando-se ao fato de que mulher bonita e gostosa jamais ganhou um BBB (o que deixou Fernanda fora da jogada), o caminho ficou livre pra Dourado vencer o boa praça Kadu, que era amigo de todo mundo na casa, gostosas, machões, gays, lésbicas, todos. O grande prêmio e o momento de glória foram para aquele que carrega os valores tipicamente brasileiros: o preconceito, o machismo e a cultura do derrotado.
Parabéns pela vitória, Douroado. Você é a cara do Brasil. Você merece!

domingo, 28 de março de 2010

EU NÃO PERCO O AMERICAN IDOL II

por Eddie Van Feu
Simon Cowell parece cada vez mais de saco cheio de estar ali, ninguém sabe porque a Ellen está na mesa e ficamos esperando alguém explicar e Kara e Randy são dois chatos. Dito isso, vamos à nossa crítica semanal do American Idol que trilha seus últimos passos rumo ao fim, programado para 2011.
Infelizmente, só comecei a acompanhar o reality show musical há três anos. Hoje, gostaria de ter visto o programa com fôlego de iniciante, os pegas entre Randy e Simon, as brigas ferrenhas entre Paula e Simon. Agora tá todo mundo cansado demais pra brigar e Paula Abdul faz falta. Ainda assim, é uma boa diversão e este ano está com participantes interessantes.

Na semana passada, eu lamentava a perda de Lacy Brown e Lilly Scott, que mereciam chegar beeeem mais longe na competição. Nessa semana, eu comemoro a saída da Paige, mas lamento o resultado final dos TOP 10. Em detrimento de gente boa que saiu cedo demais, ficamos com uns chatos que poderiam já ter cantado pra subir, literalmente. Minha mira de oráculo da destruição está em cima da chatinha da Katie e do Andrew Garcia (que se apoiou em cima da versão maneira de Straight up, da Paula Abdul, e nunca mais acertou nada).

Meu beijo da morte ainda ronda o super gente fina Tim Urban, que é uma gracinha, mas não tem voz, o que é levemente importante numa competição de canto, e a Didi Benami, que tem uma voz que eu ouviria pra sempre. Ambos andam sendo apedrejados pelo júri, com especial apreço sádico em cima do Tim, que fica com os olhos cheios d'água no palco ouvindo como ele é ruim. Renato acha que no intervalo eles se reunem e vão lá nos bastidores dar uma surra nele, pra completar a tortura.

Essas são minhas escolhas de coração, mas minhas apostas são outras. Casey ontem arrebentou com sua versão de Power of Love, mas o júri não gostou porque achou a música velha. Caramba! Nós amamos essa música aqui em casa! E adorei ver o Casey cantando! Felizmente, a América também gostou e disse ao júri que ele fica. Crystal também arrebentou com seu tapete e seu caso de possessão de Janes Joplin, e é outra que dá gosto de ouvir. Interessantemente, ambos fizeram a mesma coisa: cantaram músicas velhas muito maneiras, do jeito que elas eram. A Crystal foi ovacionada pelo júri como uma gênia. O Casey foi espancado com pedaços de pau. E fez a mesma coisa!!!! Vai entender!

O resto foi "just ok", como costumo dizer. O bizarro é que mais uma mulher saiu, quando os homens nesse ano estão fraquíssimos. Provavelmente, a audiência é de maioria feminina, pois é a única explicação pras mulheres ainda estarem saindo.
Fica aqui nosso tchau pra Paige, que ficou perdidinha cantando Phill Collins e foi destruída pelo Simon. Ela parecia deprimida e acho que vai voltar a dar aulas pras crianças. Paige, apesar da boa voz, não parece ter a garra e a paixão necessárias para encarar a selva do mercado artístico. Tem que gostar muito pra aguentar as porradas, e ela parece frágil demais pra isso. Suas declarações depois da eliminação deixam claro que ela não está pronta. Disse estar surpresa com a eliminação, que estava doente e que o júri foi muito duro com ela. Bom, o júri, como a vida, é duro com todo mundo, não sei porque ela achou que ia ser diferente com ela. Disse também que eles a descartaram antes mesmo dela cantar para salvar sua vida, e isso aconteceu mesmo. E isso foi muito pouco polido. O Tim se salvou escorregando pelo palco. Agora poderemos vê-lo apanhar impiedosamente por mais uma semana.

Paige hoje e amanhã

LEIA AS CRÍTICAS ANTERIORES:
American Idol Top 12

quinta-feira, 25 de março de 2010

ADEUS, BILL MAXWELL

por Renato Rodrigues
Morreu ontem o ator Robert Culp. Eu creio que nenhum dos amigos que acompanham aqui nossa página vá lembrar dele. Nem o jornalista da Folha de SP que fez a notinha sobre o passamento do ator lembrou direito, mas pelo menos foi um dos poucos na mídia que deu a notícia, então está perdoado.

Esta nota de falecimento é muito pessoal pois ele fazia parte de um seriado que foi por anos (e ainda é) o meu predileto: O Super Herói Americano. Nele, Robert fazia o agente do FBI Bill Maxwell, um cara turrão e conservador que já estava fora do seu tempo mesmo em 1980. Mas como manda o bom clichê, "era o durão de bom coração!".

O artista, de 79 anos, chegou ontem no hospital Queen of Angels após bater a cabeça enquanto passeava perto de casa. Uma pessoa que corria pela região achou o ator e chamou a emergência. A morte foi confirmada no hospital. De acordo com o policial, uma investigação preliminar sustenta que a queda foi acidental e que não há indícios de violência.

Sucesso na TV - Nos anos 60, Robert brilhou na TV como o agente secreto em "Os Destemidos" (I Spy), uma série que rompeu barreiras ao ser o primeiro drama com um protagonista negro (o comediante Bill Cosby). Nos últimos anos, marcou presença na série "Everybody Loves Raymond" como o sogrão do protagonista.

Pra mim foi a triste perda de um amigo distante que ainda me diverte quando assisto aos DVDs da série. Seu personagem era um sujeito irritante e difícil de se conviver mas um amigo com soluções para qualquer problema. Se você saca um pouquinho de inglês vai entender o porquê com esse depoimento do próprio Culp:



Releia aqui a matéria especial sobre o seriado

terça-feira, 23 de março de 2010

DVD e Bluray de AVATAR virão peladinhos!


Já está marcado para o dia 22 de abril o lançamento nos EUA e Brasil do DVD e Bluray do arrasa-quarteirão absoluto Avatar. A data foi escolhida por ser o Dia da Terra (que bucólico...). A Fox, ao que parece, não teve o menor pudor de deixar claro que vai meter a mão no bolso dos colecionadores. Tanto o DVD quanto Bluray virão numa versão simples, SEM NENHUM EXTRA. Nada! Nadica! Neres de Pitibiriba! A desculpa esfarrapada é de que todo o espaço do disco foi reservado apenas para o filme, para que a qualidade seja a máxima possível. Não teriam eles ainda descoberto a revolução tecnológica do DVD DUPLO??? Enfim, Cameron já cantou a pedra de que em novembro deve sair uma nova versão. Então guardem seu rico dinheirinho pra comprar o troço direito, provavelmente uma edição dupla ou tripla. Depois não sabem porque a pirataria come solta...

segunda-feira, 22 de março de 2010

E AÍ, COMO VAI A FAMÍLIA?

por Renato Rodrigues
Vindos dos cartuns do tímido Charles Addams em 1938, a Família Addams ganhou mesmo fama mundial em 1964 com a série de TV (e sua musiquinha ficou na nossa cabeça pra sempre!). Por aqui ficou famosa mesmo pelo desenho de Hanna-Barbera onde o urso batia na porta e o Tropeço dizia "Que éééé???".

Nos anos 90 veio o filme com Raul Julia e Angelica Houston e a Família Addams brilha nos cinemas em dois filmes muito populares.

Depois de um tempo na geladeira do IML, os Addams voltam à vida em Nova York, em um pacote que inclui musical na Broadway, um novo filme, coletânea de cartuns e exposição no museu da cidade.

Nos cartuns originais eles não eram exatamente como hoje conhecemos. Ao longo das décadas várias mudanças foram feitas na família em programas de TV, animações e filmes. Assim, o novo musical, com Nathan Lane (Gomez), Bebe Neuwirth (Mortícia) e Kevin Chamberlin (Tio Chico), propagandeia ser uma volta ao original.

Sentindo o cheiro de dinheiro, o Museu da Cidade de NY, incentivado financeiramente pela produção do musical, organizou uma exposição dedicada a Charles Addams, que mostra desenhos seus e uma seção reservada à família, claro.

E, pra coroar a volta triunfal, Hollywood anunciou que um projeto em 3D dirigido por Tim Burton. Tudo à ver com a família macabra.

Uma curiosidade: Entre os milhares de desenhos que fez ao longo da vida, apenas 150 cartuns traziam algum dos membros da "Família Addams". Quando tem que ser, tem mesmo, viu!

domingo, 21 de março de 2010

EU NÃO PERCO O AMERICAN IDOL

por Eddie Van Feu
Muito bem, cá estou eu pra começar uma nova sessão na nossa página! Os brasileiros que acompanham o American Idol podem agora acompanhar essa coluna aqui também pra trocar impressões (mas pense no meio ambiente antes de imprimir suas impressões). Depois dos 24 candidatos que fizeram a dancinha pra gente, a sanguinolência começou e vários ficaram pelo caminho. A maioria merecia mesmo ficar pelo caminho, mas alguns foram uma perda, como a Lilly e a loirinha bonita que eu já esqueci o nome.

Agora, com 12, a gente já começa a decorar os nomes, especialmente os injustiçados. A primeira a sair era uma favorita minha, o que fez o Renato me pedir pra parar de torcer para as pessoas, pois eu tinha o beijo da morte. No Brazil Next Top Model foi a mesma coisa. Era só eu torcer por uma que a coitada era eliminada. Lacey Brown é linda e canta que é uma beleza. Não deu pra entender porque ela foi a menos votada, especialmente quando ainda temos a chatinha da adolescente Katie e a outra chatinha Paige. Os homens neste ano estão um desastre absoluto, tornando a saída da Lacey mais injusta ainda.

Minhas apostas neste ano vão para o bonitão Casey. Sem jeito toda vida e meio caipira, ele é o sonho de consumo de 9 entre cada 10 mulheres (sendo uma a Ellen Degeneris). Minha outra aposta é para o azarão, Tim Urban, que é uma gracinha e está se apoiando nisso, porque ele realmente nem canta tão bem. Mas vamos admitir que o grande barato dessa temporada são as mulheres! A Crystal arrebenta, a maldita! Siobhan é simplesmente fantástica! Sou apaixonada pela Didi! Já entre os homens nós temos Casey... E... Casey... E o Casey. Cabou! Big Mike é maneiro, mas parece cantor de cassino (e o Rei do Crime do filme). E o Tim Urban é uma gracinha! Acabou!

Fica aqui meu protesto contra a saída da Lacey e minha esperança de que os melhores parem de sair!

Lacey hoje e ontem!

DOMINGO NO PARQUE

Todo domingo vamos botar aqui uma espécie de sessão nostalgia relembrando good times da TV e da infância:

por Renato Rodrigues
Hoje nós vamos falar do programa que deu o nome a nossa seção: Domingo no Parque era um programa de competição apresentado pelo Silvio Santos desde os anos 70 na Tupi e que durou até 88 já no SBT.


O infantil abria o Programa Silvio Santos e durava toda a manhã. Ao longo dos anos passaram por ali e séries como Mulher Elétrica e Garota Dínamo, Joe 90, Ark II e alguns desenhos como o imbatível Pica-Pau (Vem, Pica-Pau, vem Pica Pau!)

O cenário era um colorido parque de diversões. Ali, duas escolas (que nos anos 80 passaram a ser representadas por times de futebol) se enfrentavam em diversas provas, como a corrida de bebês, o cabo de guerra, o concurso de dança e o foguetinho (Você troca essa bicicleta de 10 marchas por uma meia usada? Siiiiiiim!!!). No encerramento do programa vinha o decisivo jogo da cobrinha, onde as crianças iam abrindo as latinhas e podiam sair prêmios ou... ou cobrinhas de mola. Póooim! E quando uma equipe ganhava era aquela alegria chovia balão, todo mundo entrava no palco, era a maior zona.



Eu, na época, era doido pra ter o chapéu do Clube do Mickey e o tênis Montreal que protege contra os "Micóbrios".

sexta-feira, 19 de março de 2010

O PLANETA DOS GORILLAZ

por Renato Rodrigues
Depois de 5 anos paradões, os malucos virtuais criados pelo cartunista inglês Jamie Hewlett lançam novo trabalho, o CD “Plastic beach” (pela EMI). É a banda Gorillaz, composta por quatro membros animados: 2D, Murdoc Niccals, Noodle e Russel. A música do grupo é resultado da colaboração entre vários outros músicos, sendo Damon Albarn (do Blur) o único músico permanente desde a criação da trupe em 1998.
O produtor do disco, Murdoc, falou ao Rio Fanzine (O Globo) e nós chupamos um pedaço da entrevista:
Murdoc:
"O plano para este terceiro álbum do Gorillaz era fazer uma colagem mundial, um mapa musical do mundo moderno. Através dos convidados, pude tirar pequenas fotos do mundo, captar diferentes almas do planeta e enfiar a sua essência no álbum. Plastic beach virou um microcosmo do mundo".

Presentes neste novo álbum o soulman Bobby Womack (que voltou para gravar essa faixa porque a sua neta disse que o grupo é cool.), a banda Little Dragon (uma banda eletrônica sueca liderada por um japonês [!]), Mark E. Smith, (do The Fall), Lou Reed, Mick Jones e Paul Simonon.
O primeiro álbum da banda, Gorillaz, vendeu mais de 7 milhões de dólares. Nada mal para uma banda que nem existe.

quinta-feira, 18 de março de 2010

APRESENTADOR DO AMERICAN IDOL FALA MAIS QUE A BOCA

por Renato Rodrigues
Ryan Seacrest, apresentador do American Idol, deu mole essa semana e entregou o ouro pra metade dos EUA. Logo após a eliminação da candidata Fulaninha de Tal (que eu não vou contar porque nem passou aqui!!!) ontem, dia 17, Seacrest postou em seu Twitter que ela estaria na manhã seguinte em programa de rádio.

"No ar com Ryan Seacrest: Orianthi, David Cook e a eliminada do American Idol, Fulaninha de Tal".

O problema é que, como nos Estados Unidos há mais de um fuso horário, o programa não é exibido ao vivo em todo o país. E quem acompanha o cara no Twitter pelo mundo e só vê dias depois (como no Brasil, que passa aos sábados na Sony) também se deu mal! Palmas, muitas palmas!

terça-feira, 16 de março de 2010

Sandman na TV

por Renato Rodrigues
A filme dos sonhos de muita gente por aí deve esperar mais um pouco pois o autor de Sandman, Neil Gaiman, declarou que considera sua saga muito complexa para 2 horas de filme e propõe que ela seja feita em uma minissérie.

O projeto pode sair do papel em breve, Gaimam discutiu com o diretor do filme de super-heróis "Kick Ass: Quebrando Tudo" sobre a possibilidade de criar uma minissérie do Sandman para a HBO.
O autor já havia cogitado, em conversa com Guillermo Del Toro, fazer um filme sobre com a Morte, outro dos Perpétuos da série da Vertigo.

Muita gente espera que não sejam "As aventuras do jovem Sandman aprontando todas antes de descobrir a extensão de seus poderes. Somebody Saaaave me..."

Reunião de Presidentes Americanos (vivos e mortos)

Saca só essa galera:

Chevy Chase: Gerald Ford
Dana Carvey: George Bush (Pai)
Darrell Hammond: Bill Clinton
Dan Ackroyd: Jimmy Carter
Fred Armisen: Barack Obama
Jimmy Carrey: Ronald Reagan
Will Farrell: George W. Bush
Maya Rudolph: Michelle Obama

Direção: Ron Howard

A resolução está pouca porque a legenda pesa um bocado. (Quem diria? Só umas letrinhas...)

video

Dá pra ver que os atores não fazem nem muito esforço para que as imitações sejam "perfeitas". Lorne Michaels disse que, ao encontrar o verdadeiro George Bush Pai, que Dana Carvey imitava, ele pareceu estar "errado" de alguma forma. Pois é, algumas imitações estão bem longe do original, mas a mensagem foi certeira.

domingo, 14 de março de 2010

Saturday Night Live muito legal.


Além de ser um ator sensacional e um comediante de mão cheia, Jude Law nunca deixa de brincar com o fato de ser bonitão. Na última vez que esteve em Saturday Night Live a convidada musical foi Ashley Simpson, que cantou com playback e mesmo assim, errou a música. Resultado, ninguém lembra de Jude, só do mico de Ashley.

Bom, o grupo musical convidado é Pearl Jam. Acreditem, o playback não é um problema neste episódio.


Saturday Night Live tem crescido em popularidade nos Estados Unidos por estar cada vez mais atuante nas questões políticas. Não é raro que os jornais televisivos mostrem partes do segmento "Weekend Update", pouco depois da transmissão do show. Segundo Lorne Michaels (produtor) e Seth Meyers (redator chefe) um dos motivos do sucesso das últimas temporadas foi não demonizar as figuras políticas. Apesar das imitações e dos exageros, a figura - por mais atrapalhada e cínica que seja - ainda é agradável ao público.


CUIDADO, DAQUI PARA FRENTE PODE TER SPOILER.



Um outro motivo é uma sorte danada que os comediantes americanos estão tendo na politica. Na semana passada um deputado, Eric Massa, foi acusado de abuso sexual por seus empregados por repetidamente fazer cosquinhas em seus subordinados e usar linguagem picante. Ao negar sua homossexualidade, Eric Massa negou veementemente: "Pergunte à minha mulher ou a qualquer um que serviu na Marinha comigo".

CUIDADO, DAQUI PARA FRENTE CERTAMENTE TEM SPOILER.

Claro que o pessoal fez a festa. O Weekend Update, que ganhou um spin-off para as quintas, recebeu um convidado muito legal neste sábado.

SE VOCÊ NÃO SABE O QUE É UM SPOILER NEM DEVERIA ESTAR LENDO UMA MATÉRIA SOBRE SATURDAY NIGHT LIVE.


O segmento "Really" é um dos maiores sucessos do Weekend Update. É uma bronca danada que Seth Meyers e Amy Poehler dão nas maiores burradas da semana. O segmento não acontece sempre - mas é uma farra quando acontece. Normalmente o "Really" é com Seth e Amy, mas Archie, filho de Amy Poehler, ainda está muito pequenininho. Ela vai ficar mais um tempo em casa antes de voltar para o programa. Mas que Jerry é esse?


OH, É UM SPOILER!! VOCÊ IRIA TER UMA SURPRESA AO VER O PROGRAMA E AGORA NÃO VAI TER MAIS. ISSO É UM SPOILER. TENHA CERTEZA DE QUE É UM SPOILER...


TARDE DEMAIS...


Ah, nem tanto. Esse daí é uma galinha velha mesmo...

... adora dar uma canja.

Se bem que ele deve ter cobrado uma nota por estes três minutos.

Mas Jerry Seinfield é tão maneiro. Não exagerou, não regulou e fez bonito. O texto tem tudo a ver com ele. Tem coisa que só é engraçada quando é ele quem fala. O Seth ainda chega lá.

video

Para quem boia em assuntos de política americana, aguardem a transmissão pela Sony e aproveitem os outros quadros. Jude Law está arrasando.

GERALDÃO EM ANIMAÇÃO

Todo domingo vamos botar aqui uma espécie de sessão nostalgia relembrando good times da TV e da infância:

Por Renato Rodrigues
Deixando a tristeza de lado vamos relembrar a alegria e a bobagem generalizada que foi a marca registrada que o Glauco sempre imprimiu nos quadrinhos desde os anos 80 nas revistas Chiclete com Banana, Circo, Geraldão e nas tirinhas de Jornal.





sábado, 13 de março de 2010

FRIENDS

Campeões de reprises, Friends, ainda consegue dar audiência na Warner no horário nobre mesmo depois de ter sido cancelada em 2004. E passam dois episódios seguidos, 3 vezes ao dia! Caramba!
por Patricia Balan
Você conhece, né? Este era um show sobre seis amigos que passaram dos vinte e cinco. O primeiro verso da música de abertura dizia “Ninguém te disse que a vida seria assim...” E é verdade. Os heróis de cinema estão ficando cada vez mais novos e os que estão indo para os trinta transam todo dia, já têm casa própria, carro e uma vida muito interessante. Só que na vida real o grande desafio é pagar o aluguel e não perder o ônibus para não chegar tarde no trabalho. E o tempo vai passando... 28...29... Você está pronto para ir a toda velocidade, mas parece que não dá para passar uma terceira marcha!
No começo parecia que não era o seu dia, depois a semana não foi legal e mais tarde você percebe que o ano não foi satisfatório também! Os trinta estão chegando e não parece que você vai conseguir se tornar o astronauta ou a supermodelo que você tinha certeza de que seria quando tinha dezoito anos. Por que não enfiar logo a cabeça no forno se seus sonhos de conquistar o mundo foram por água a baixo e a sua realidade está ficando igualzinha à dos seus pais? Porque você tem AMIGOS!Ok, eles não são perfeitos e às vezes dá vontade de enfiar a cabeça deles no forno, mas quem é que vive sem eles? Ainda mais se romper a amizade significa voltar para a casa dos pais, porque não dá pra bancar um apartamento sozinho. Em “Friends” alguns eram bem sucedidos, outros nem tanto, alguns estavam com a vida amorosa bastante satisfatória, outros não chegavam nem perto disso. Na capa da revista “Rolling Stones”, nos anos 90, as manchetes diziam: “Nada de sexo, empregos horríveis, show de sucesso: vai entender!?” Ora, será tão difícil de entender ou está difícil admitir que este é o resumo das nossas vidas?

Em “Friends” todos eram irritantemente lindos! Por mais alto que seja o nível de empatia do público, ninguém quer se identificar com o cara que está lá na esquina! Alguma parte dentro de nós ainda não desistiu de ser lindo, rico e famoso. Aconteceu com o elenco de Friends, não aconteceu? Por que não pode acontecer conosco? No seriado todo mundo era muito certinho porque já estavam todos grandinhos demais para bancarem os revoltados. Eles eram o retrato de uma geração que não queria mudar o mundo porque estava ocupada demais tentando manter os próprios sonhos vivos e o aluguel pago. Como eles mesmos já disseram: “Bem-vindo ao mundo real. É uma droga – você vai adorar!”

A GALERA DO CENTRAL PERK
Matthew Perry (Chandler): Nasceu em 1969, em Williamsburg, Massachussets e foi criado em Otawa, Canadá. Filho de outro ator famoso, John Bennet Perry, Matthew largou a faculdade quase no fim para ir a Los Angeles e começar a vida de ator. O começo não foi muito feliz, mas Perry continuou insistindo na comédia. Perry sempre foi o aluno mais engraçado da turma. Aliás, Chandler tem muitas características do próprio Perry. Diz-se que Perry estava tentando vender um projeto para a NBC cuja personagem principal seria justamente um yuppie neurótico. O projeto não foi comprado mas Perry ganhou o melhor papel de sua carreira.

Matt Leblanc (Joey): Ele nasceu em 25 de julho de 69 e tem ascendência italiana, francesa, inglesa, holandesa e irlandesa! Esta mistura toda deu no belíssimo exemplar da beleza masculina que Matt é. Ele começou a carreira como modelo e teve muito sucesso sendo até premiado em Cannes (com o Leão de Ouro) por sua participação em um comercial de Ketchup. Normalmente escalado para fazer papéis ítalo-americanos, Matt já tem uma razoável carreira no cinema, incluindo a refilmagem de “Perdidos no Espaço” e "As Panteras", porém parece ser difícil se livrar do rótulo de “burro e bonito”, papel que desempenha tão bem em “Friends” e que já tinha experimentado em “Um Amor de Família” quando fazia o namorado da tapadinha Kelly de quem era gêmeo intelectual. Com o fim de Friends estrelou o spin off Joey.

David Schwimmer (Ross): nascido em 12 de novembro de 66 e criado em Chicago, David graduou-se em teatro pela North Western University em Illinois. Antes de sua voz mudar definitivamente David dublou “Alladin” para a Disney, quando fez o papel-título. David tem uma graduação especial em oratória e esta pronúncia impecável de cada palavra é uma característica marcante de Ross Geller. David hesitou muito em aceitar um papel cômico, o que é surpreendente, haja visto o quanto ele é bom nisso.

Jennifer Aniston (Rachel): Nasceu em 11 de fevereiro de 1969 em Sherman Oaks, Califórnia, mas cresceu em Nova York. Seu pai, John Aniston, faz parte do elenco da novela “Days of Our Lives” e seu avô, Telly Savallas, era o famoso Kojak. Apesar de vir de uma família de atores, Jannifer começou a carreira como artista plástica aos 11 anos, tendo até exposições individuais. Apesar do sucesso ter vindo tão cedo, ela decidiu não seguir esta carreira e matriculou-se na New York High School of the Performing Arts, melhor conhecida como a Escola de “Fame”. A princípio, Jennifer queria o papel da personagem Mônica, que acabou ficando com Courteney Cox. Ironicamente Courteney também preferia o papel de Rachel. Parece que a decisão dos produtores foi a mais acertada. Jennifer fez tanto sucesso como Rachel que sua carreira parece ter deslanchado no cinema também com papéis que lembram bastante Rachel como no filme “A Razão do meu Afeto”.

Courteney Cox (Mônica): Courteney Cox nasceu em 15 de junho de 1964 em Birmingham, Alabama. Ela optou pela carreira de modelo desde muito jovem e teve aulas de oratória para tirar o sotaque caipira do Alabama. Funcionou. Courteney esteve nas telas de cinema ainda nos anos 80 (Cocoon II e Mestres do Universo) e na série de TV curto circuito (passou na Globo, lembra?). Noas anos 90, deus seus gritos no cinema em “Pânico” e “Pânico II”. Atualmente estrela Cougar Town (na SONY).

Liza Kudrow (Phoebe Buffay): Lisa Kudrow nasceu em 30 de julho de 1963 em Encino Valley, California. Ela é formada em biologia e tencionava seguir a carreira de seu pai, um médico respeitado. Quando estudava no Vasser College, Lisa entrou em contato com o grupo teatro de improviso Groundlings. Tendo o seu talento reconhecido, Lisa fez participações em séries de sucesso, como Cheers, até ser escolhida para participações esporádicas em “Louco por Você” interpretando a garçonete Úrsula (que acabou por aparecer em “Friends” como a irmã gêmea de Phoebe). A personagem Phoebe Buffay deveria ser um papel coadjuvante como o de Úrsula, pois os produtores acharam que seria muito difícil inventar tramas para seis personagens. Mas onde comem cinco comem seis e hoje Phoebe é, depois de Chandler, a “Friend” mais querida do público.

E pra terminar: os Super Friends:


sexta-feira, 12 de março de 2010

Glauco (1957-2010)

por Renato Rodrigues
O cartunista Glauco Villas Boas, 53, foi morto nesta madrugada em sua casa, em Osasco, após uma tentativa de assalto. Dois homens invadiram o local por volta da meia-noite e o cartunista teria convencido os bandidos a levá-lo, deixando a mulher e filhos em casa. Quando saía de casa, o filho Raoni (25 anos) chegava, houve discussão com os assaltantes, que atiraram e mataram pai e filho. Até esta manhã de sexta feira, os canalhas estão foragidos.

Vida de cartunista
Nascido em Jandaia do Sul, Paraná, Glauco começou a publicar suas tirinhas no "Diário da Manhã", de Ribeirão Preto, no começo dos anos 70. Em 1976, foi premiado no Salão de Humor de Piracicaba e, a partir de 84, passou a publicar suas tiras regularmente na Folha e, mais ou menos na mesma época, na revista Chiclete com Banana ganhando visibilidade nacional.
Seu personagem mais famoso é o Geraldão, mas o que eu mais gostava mesmo era seu alter ego em Los 3 Amigos composto por ele, Angeli e Larte. Glauco era o mais malucão dos três com as tirinhas tão infantis quanto sacanas. Seu tipo de humor não é engajado, nem faz muito a gente pensar... É pura bobeira, que a gente ri só por estar ali... Coisa de moleque para moleque mesmo!
Hoje os 3 Amigos, os amigos de prancheta e todos os amigos que curtem humor e quadrinhos estarão sem motivos pra rir... mas amanhã, quem sabe, o trio aparece por essas bandas, vindo sabe-se lá de onde, para beber, fazer zona e quebrar tudo pela frente. É uma esperança!

Glauco também era líder da igreja Céu de Maria, ligada ao Santo Daime. Leia daqui a pouco uma matéria da Eddie abordando esse trabalho.

Aqui as tirinhas de Glauco publicadas na Folha (exclusivo para assinantes).

Veja matéria completa sobre o crime aqui no site d´O Globo

quinta-feira, 11 de março de 2010

CHEGA DE PAGAR VIAGEM PARA ATOR!

E se reclamar, não sai nem do estúdio!

Cortando gastos com viagens e pagando melhor aos nerds.

TRAILER DE ROBIN HOOD

por Renato Rodrigues
Lembra do desenho Super Robin Hood? Que mostrava o Robin Hood no espaço? Não lembra? Claro que não, ninguém lembra desse desenho mas era legal...

Só que não tem nada haver com o que vou falar. Em maio estreia o novo filme de Ridley Scott contando a história do herói "que rouba dos ricos e dá para os pobres". A história você conhece, Robin (Russell Crowe) retorna das Cruzadas e encontra uma Inglaterra corrompida e uma cidade de Nottingham oprimida por altos impostos e desmandos do xerife local. A diferença aqui é que tudo é tratado de uma maneira mais verossímel. É uma versão mais séria do mito.

O negócio parece bom, heim! Mas veja o trailer e depois comente se não parece uma mistura de Gladiador com Batman Begins.




O filme chega por aqui em 14 de maio.

E agora atendendo a pedidos dos meus 3 leitores (meu pai, minha mãe e eu) vamos rever a abertura de Super Robin Hood!!!

quarta-feira, 10 de março de 2010

MORRE O ATOR DE "GAROTOS PERDIDOS"

por Renato Rodrigues
Um rápida e triste notícia. O ator Corey Haim (38 anos) foi encontrado morto, nesta quarta-feira, em sua casa na cidade de Los Angeles. De acordo com a polícia, ele teria morrido de overdose acidental.

Seu grande suceso foi o, hoje cult, "Os garotos perdidos" de 1987 no papel de Sam, um aficionado por histórias de terror que desconfia que o irmão mais velho (Jason Patrick) transformou-se em um vampiro. Nos bastidores do longa, tornou-se amigo de Corey Feldman, que o acompanhou em outros trabalhos ao longo da carreira. Outro campeão de reprises na sessão a tarde foi "Sem licença para dirigir" (lembra, né?).

Após um época de vacas magras ele voltou a trabalhar com o xará Feldman no reality show "The two Coreys" (2007). No ano seguinte, deu uma entrevista à revista "Variety" dizendo-se livre das drogas e pronto para voltar a trabalhar. É...

Entre seus últimos filmes estão "Garotos perdidos 2 - A tribo" (É divertido, nós vimos recentemente) e "Adrenalina 2".

Os lobos homenageiam hoje o caça-vampiros com o trailer de Garotos Perdidos.


terça-feira, 9 de março de 2010

Na boca da Loba

Kathryn Bigelow fez história como a primeira mulher a ganhar Oscar de Melhor Direção. Kathryn também fez bonito ao ganhar justamente no mesmo ano que seu ex-marido era o favorito para ganhar. Já James Cameron fez de conta que não ficou furioso.

Garanto que no próximo divórcio ele vai pagar a pensão direitinho...

HOMEM DE FERRO 2 VEM AÍ, lá-lá lá-lá-lá-lááá...

por Renato Rodrigues
Esse trailer saiu ontem mas o papai aqui estava levando notinha fiscal na distribuidora e papou mosca. Curta o trailer mais recente do Homem de Ferro 2 trazendo mais imagens do vilão Chicote Negro, da Viúva Negra em cena de porradaria e do Máquina de Combate enfrentando uma galera de armadura.




Homem de Ferro 2 estreia em 30 de abril no Brasil.

Ah, saca que poster bacana!